segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Não estou a perceber que tempo é este...

Não estamos no Outono?? Então porque é que vão estar hoje 28 graus no Porto? Vou passar o fim-de-semana ao Alentejo e estão previstos mais de 30 graus.
Quer-se dizer. Nas últimas duas semanas andei de casaco de fazenda e collants opacos, porque estava um bocado fresco lá para as Alemanhas. Chego cá, já a pensar numas castanhas assadas e está este calor.
Não gosto!

3 comentários:

  1. Olá! Sei que pouco tem a ver com o post, mas cá vai. Fiquei há pouco tempo sem trabalho. Na verdade, era um trabalho que me fazia miserável neste momento, mas no entanto me dava aquela segurança financeira. É quase aquela situação em que estás na dúvida se acabas ou não uma relação, e ele acaba-a antes. percebes? Sei que já passaste pelo mesmo, pelo que a pergunta é: como reagiste face ao desemprego? Como ocupava os dias que parecem férias, mas não sabem a férias? Como lidaste com entrevistas de trabalho, sem mostrar desespero? Desculpa, mas às vezes vindo de alguém que não se conhece, ajuda.

    obrigada :)

    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marta! Tive de lidar duas vezes com o facto de ficar desempregada, sem estar minimamente a contar com isso. Apesar de se terem revelado experiências completamente diferentes, no início a reação foi semelhante: tristeza, revolta, mágoa... Só pensava no que poderia ter feito de diferente para aquilo não ter acontecido. Mais tarde percebi que a culpa não foi minha, que tinha feito bem o meu trabalho e que, simplesmente, não estava ao meu alcance contrariar decisões que se tomavam em salas de reuniões onde nem o meu nome sabiam. De ambas as vezes achava que era o fim do mundo. Desta última vez então, foi mesmo um balde de água fria. Puxaram-me o tapete com toda a força e eu senti-me estatelar no chão ao comprido. Agora olho para trás e penso que foi o que de melhor me aconteceu. Encontrei um trabalho que adoro, com pessoas espetaculares e numa empresa que me parece muito boa. Costuma-se dizer que há males que vêm por bem. E acho que a maior parte das vezes isso acontece. Se, ainda por cima, estavas num trabalho que te fazia infeliz, talvez este seja o empurrão de que precisavas para mudares a tua vida. No início é desesperante, eu sei. Mas não te podes deixar levar pela angústia, como eu deixei da primeira vez que fiquei desempregada. Aproveita este tempo como umas merecidas férias. Vai ao cinema, lê, passeia, faz aquelas coisas que sempre quiseste mas que andavas sempre a adiar por falta de tempo. NÃO TE METAS EM CASA!! Sai, vê pessoas, convive. Mantém os horários (nada de dormir até à uma da tarde!). Dá uma reviravolta ao teu CV (há imensos modelos giros e originais na net), organiza a procura de emprego (fz um ficheiro excel com todos os links de anúncios, emrpesa, data, função, etc) para depois saberes ao que concorreste quando te ligarem para ires a entrevistas! Vê os sites de emprego todos os dias e concorre ao que te parecer interessante. E, muito importante: não aceites a primeira oportunidade que te apareça, só para teres um emprego. Se tens dúvidas, é sinal de que não é o mais indicado. É melhor aguentar mais um mês ou dois e esperar por uma melhor oportunidade. Se quiseres envia-me email e posso falar-te mais da minha experiência: derepentejanostrinta@gmail.com. Beijinho!

      Eliminar
  2. Estou fartinha deste verão prolongado... é que já mete nojo...

    ResponderEliminar