sexta-feira, 21 de julho de 2017

Deitar cedo e cedo erguer, custa pra caramba, mas realmente dá resultado!

Já disse que era gaja para viver nesta cidade? Não sendo muito grande (tem cerca de 120.000 habitantes), não lhe falta nada. E acredito que quem cá mora tem uma qualidade de vida incrível.
Na minha empresa parecem todos super tranquilos. Não vejo pessoas a stressar com os outros, nem a falar alto, como os tugas tanto gostam de fazer. E, no entanto, o trabalho flui muito bem.

Começo a pensar seriamente adotar os horários deles, que permitem aproveitar muito melhor o dia. Levantar mais cedo para trabalhar custa, é certo, mas depois acaba por se refletir, não só na produtividade, como na vida pessoal. Pouco depois do meio da tarde esta malta já está a sair para passear, beber um copo, ir buscar os filhos à escola, fazer as compras da semana, o que seja, sem terem de chegar a casa às oito da noite. E todos sabemos que, depois de chegar a casa, há sempre imensas coisas para fazer e, quando damos por ela, é meia-noite e ainda estamos a passar a ferro. 

Sei que nem todos têm flexibilidade para fazer esta opção, por terem horários fixos ou por fazerem turnos. Mas mantenho a esperança de que, um dia, as empresas portuguesas vão olhar um pouco para o que se faz nestes países (no Norte da Europa é normal fazer estes horários, para 35 horas semanais, ou menos) e adotar novas estratégias. 
Pode ser que, num futuro não muito longínquo, os patrões portugueses cheguem à brilhante conclusão de que funcionários satisfeitos sãos os mais produtivos. E não necessariamente os que passam mais tempo sentados à secretária. Ou a engraxar. E não são os sapatos.

2 comentários:

  1. Concordo! E também partilho dessa esperança.
    Por muito que custe levantar cedo (não sou muito madrugadora), é maravilhoso ter mais tempo útil livre. Oxalá o nosso país adoptasse práticas dessas.

    ResponderEliminar
  2. Também tenho essa esperança :).
    Eu adoro levantar-me cedo, não me custa nada, sinto que o meu dia se torna mais produtivo.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar