domingo, 18 de junho de 2017

Fotos de pés. Esse flagelo destruidor de Verões alheios...

Vem o calor de começa o flagelo das fotos dos pés ao léu na praia e na piscina. A minha questão é: porquê pés? Alguém realmente acredita que são uma coisa bonita de se ver? Cheios de calos e dedos tortos do calçado apertado? Acho que nunca vi uma foto em que olhasse e pensasse: Ora aqui estão uns pé bonitos! Não, porque, por norma, são todos feiosos. Mesmo os meus, com aquele dedo mindinho deficiente e arrebitado. 

Pá, postem mamas, rabos, bocas, orelhas, ou até pilas! Mas pés, por favor, não...
A não ser, claro está, que estejam devidamente tapados por calçado giro. Aí sim, podem e devem partilhar, que a malta anda sempre atrás das novidades.

Os últimos que me apareceram iam-me cegando um olho.



quinta-feira, 8 de junho de 2017

Lois a indignada: Só tenho olho para o que não devo.

O meu PC deixou de carregar a bateria. Pânico TO-TAL. Há que correr para a loja mais próxima, na esperança de o problema estar apenas no carregador. Estava. Ufa.
Já que lá estava, aproveitei para ver uns PC's, que o meu está a pedir reforma. O moço foi mostrando e eu fui gostando cada vez mais. E pedindo mais coisas. Até que cheguei ao computador perfeito. Tinha tudo o que eu procuro num portátil. Era só o mais caro. Bah...



quarta-feira, 7 de junho de 2017

Lois, a indignada: Comprei uma massagem relaxante e fiquei ainda mais stressada!

Uma pessoa fica a saber que o carro que a abalroou na rotunda tem os documentos apreendidos desde 2009 e que não tem seguro - nada de que já não desconfiasse - e fica um bocado stressada. Acrescido do facto de estar prestes a completar metade de 70 anos, pessoa dirige-se a um dos milhentos sites de descontos que lhe invadem a conta de email diariamente e decide, finalmente, após anos de "ai, tenho mesmo de marcar uma massagem", comprar a porcaria de um cupão!
Clique aqui, clique ali e já estava! Lois era a feliz detentora de um cupão que lhe iria permitir esquecer todos os problemas do mundo (sim, mesmo o Trump e os erros ortográficos dos DAMA) durante 50 minutos.
Já a imaginar a sensação de bem-estar e relaxamento total provocados pela massagem, uma pessoa pergunta para quando pode agendar.
E o que é que respondem? Só a partir de julho. Sério?? Uma pessoa gastou dinheiro na porcaria de um cupão para fazer a porra de uma massagem e só pode marcar para daqui a um mês? Adeus relax. Olá stress.




sexta-feira, 2 de junho de 2017

Lois, a indignada: Bateram-me no carro e fugiram. Mesmo na minha frente!

Vai uma pessoa, alegremente, pela manhã, toda pimpona, a uma entrevista de trabalho, conduzindo a sua viatura, amor da sua vida. Chegando-se a uma rotunda, passa, como manda o Código da Estrada - esse estranho livro do Demo, que muita gente desconhece - para a faixa da esquerda, pois tem de contornar quase toda a rotunda até à saída pretendida. Ao meu lado, para um carro, que deveria entrar e sair logo na primeira, já que ia fazer a rotunda por fora.
Só que não! Mal entro na rotunda, o filho de uma grande rameira manda-se contra o meu carro! Senti o embate, olhei e vi o gajo colado a mim. Saco o travão de mão, saio cá fora, dirijo-me à viatura, com quatro marmanjos estranhos lá dentro e digo: Vamos chamar a polícia, porque eu estava a fazer bem a rotunda e o senhor é que me foi bater.
Nisto, o gajo, que não era português (pareciam todos marroquinos) diz-me que não, que o meu carro não tinha nada e que não era preciso. E eu: Quê?? Não, não! O meu carro está todo riscado e não sai daqui ninguém sem vir a polícia. O gajo sempre a dizer que não e eu começo a perceber que a intenção dele era pirar-se dali. Não tenho mais nada! Meto-me à frente do carro, com as mãos em cima do capô e digo: Tu não tiras daqui o carro! Não, não sei que raio me passou pela cabeça.
O certo é que o gajo acelerou, eu saí da frente e ele pirou-se. Insultei-o quanto pude, mas antes disso ainda tive tempo de lhe apontar a matrícula. Mais duas pessoas vieram ter comigo para me dar a matrícula do gajo, porque viram a cena toda.

Fui logo à PSP apresentar queixa e o senhor polícia lá me diz que preciso de duas testemunhas. E eu pensei: bonito. Não fiquei com o contacto de nenhuma daquelas pessoas. Felizmente, a rotunda estava em obras e andavam lá uns trabalhadores. Lá fui eu ter com eles, na esperança de algum ter visto o filho de uma rameira a fugir. Afinal todos tinham assistido e dois deles lá me deram o contacto, para eu os poder apresentar como testemunhas.
Agora é esperar que a PSP e a seguradora dêem andamento ao processo, para eu poder meter o carro na oficina da marca, para pôr tudo impecável como estava. Espero que seja bem caro, porque é do bolso dele que vai sair. Não tivesse fugido! E ainda devia pagar pelos nervos que eu tive.
É que tudo o que uma pessoa precisa antes de uma entrevista de emprego importante, é que lhe batam no carro e se ponham no c*******.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Para quando as praias interditas a velhos tarados??

Esta semana fui com uma amiga a uma praia onde nunca tinha estado. Ela teve de ir embora mais cedo e eu ali fiquei, a aproveitar mais um bocadinho. Ao meu lado estava deitado um velhote, na sua cueca preta de licra.
Quando me viro de barriga para cima, para me sentar um bocado na toalha, olho para o lado e vejo o velho de telemóvel na mão, virado para mim. desviei o olhar e pensei: ele não era capaz de me tirar fotos, pois não?
Nisto, ouço aquele barulho típico dos telemóveis quando se tira uma foto! Olho para o homem e ele, com a maior das latas, de telemóvel no ar, virado a mim. Fiquei com cara de tacho a olhar para ele, a fumegar pelo nariz, mas o raio do velho, na boa. Ainda se pôs a ver a foto e a fazer zoom na imagem (o movimento de dedos não engana).
Tive vontade de me levantar, ir lá, agarrar a merda do telemóvel e atirar com ele ao mar. Ou então só apagar a foto e chamá-lo de velho tarado. Mas o que é que eu fiz? Vesti a roupinha e fui embora dali a correr. Que garganta eu tenho muita, mas lata, tenho menos que ele e não fui capaz de dizer nada. 

Espero que um dia destes alguém, com mais tomates que eu, lhe parta o focinho.




quinta-feira, 25 de maio de 2017

Vida de desempregada: seis semanas

Só para meter nojo, tenho a dizer que fui à praia na terça e ontem. E, minha gente, estava melhor do que no verão! Sem vento (o que cá em cima é uma espécie de milagre), um calorzinho maravilhoso e a água a uma temperatura praticamente agradável. A época de mergulhos foi oficialmente inaugurada!
Entretanto há que continuar a ir às entrevistas. É bom que não voltem a calhar num dia de sol com 30 graus...

terça-feira, 23 de maio de 2017

Anda tudo com a mania que é fit e saudável. Menos eu!

Ó gente! Isto da comida saudável, dos super alimentos e das sementes não estará a ficar um bocadinho exagerado?
De cada vez que vejo pequenos-almoços alheios com papas de aveia e sementes de linhaça, já dou por mim a revirar os olhos. Quanto tempo acham que vai durar a moda? Sim, convençam-se: é uma moda. E vai passar.
Pois eu, não vivo sem as minhas torradinhas! Com muita manteiga, se faz favor! Na loucura, sou capaz de comer uns cereais. Mas com leite achocolatado ou iogurte líquido, que eu odeio o sabor do leite simples.

E nem pensem em tirar-me a massinha com carne, os rojões ou o franguinho de churrasco com arroz seco e batata frita.

Alimentação saudável? Pá, tem dias. Não quero correr o risco de exagerar!




sexta-feira, 12 de maio de 2017

Os meus amigos do Facebook são melhores que os Vossos!

Neste momento. Porque depois de jantar pode já não ser. Convém aproveitar a onda.


Diário de uma desempregada: 4 semanas.

Então Lois, como vai essa vidinha de desempregada?
Ora bem, para já bastante ocupada. Saí da empresa quase há um mês. Por um lado parece que foi há uma eternidade. Por outro lado, estas semanas passaram a correr. Dez dias no laréu lá pela Polónia e os restantes no laréu entre a aldeia e a cidade.
Nos entretantos, ficou este tempinho de caca, o que até veio a calhar, que tenho o jornal todo por fazer e dá jeito ficar em casa. Se estivesse sol, de certeza que já andava por aí a passarinhar. Assim, fico em casa, agarrada ao pc. Digamos que tenho conseguido trabalhar uma média de meia hora para cada duas. Não me parece lá muito rentável.
Mas diz que a partir de domingo o bom tempo volta e eu quero muito ir apanhar um solinho, por isso tenho mesmo de começar a despachar isto.
Entretanto, já andei nas compras com a senhora minha mãe e, sem contar, arranjei a fatiota para o batizado da afilhada mais linda deste mundo! Assim um bocadinho diferente do que estava à espera, mas dentro do modelo que queria. É daqueles que se adora ou se odeia. Até lá, espero não me arrepender.

E pronto, para já, ainda não stressei por não estar a trabalhar. Claro que quase todos os dias penso nisso, mas estou a tentar seguir os conselhos dos pais e dos amigos: aproveitar estas "férias", descansar e procurar outra coisa com calma. Vamos ver por quanto tempo resulta este mindset.





sexta-feira, 5 de maio de 2017

Voltei voltei, voltei de lá!

Ainda agora estava na Polónia e agora já estou cá.
E, deixe-me que vos diga, apanhei um frio que nem é bom. Uma pessoa sai do Porto com um tempinho tão agradável, para chegar a Varsóvia e levar com um vento gélido e pra i menos uns 20 graus na tromba. Ainda bem que fui equipada a rigor. Que é como quem diz, levei roupa pra caraças. Tanta, que tinha mais peso do que devia na mala e ainda tive de largar uns euros no aeroporto.
De resto, foi espetacular!
Dez dias bem passados, com o amigo do coração, e sete cidades visitadas. Ficou ainda tanto por ver!
Minha gente, aquele país é fantástico. Tem uma história devastadora, que vale a pena conhecer, mas também é um exemplo de superação. Museus brutais e super modernos, uma rede de transportes que faz inveja a muito país e parques a perder de vista. 

Quando descarregar as fotos da máquina, vou ver se deixo aqui algumas. Já sabeis que sou uma preguiçosa e que existe uma forte possibilidade de isso não acontecer, não já?? Só para não criar grandes expectativas!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Hora de fazer a mala!

A modos que amanhã vou de férias! Sendo que estou desempregada, se calhar não lhe posso chamar férias!... Mas adiante. Tenho de fazer a mala. Com casacos de fazenda, gorros, camisolas quentes e afins.
Destino? Polónia!
Ando há uma semana a ver a previsão do tempo. E as mínimas continuam a ser de um e dois graus.
Agora vamos todos juntar as mãozinhas e rezar para que a coisa melhore.

sábado, 15 de abril de 2017

Partiram-me o coração.

Há coisas que realmente nos quebram o coração. Por norma, são homens ou mulheres que não correspondem ao nosso sentimento, que nos traem ou que nos desiludem. No meu caso, é o trabalho.
E, pela segunda vez na minha vida, o trabalho partiu-me o coração. Foram pessoas, naturalmente, que o fizeram. Mas são rostos quase, ou totalmente desconhecidos, por isso não consigo associá-los à tristeza e frustração que me causaram. Apenas o nome da empresa.

Não sei se ainda se lembram, mas há cerca de um ano e meio, eu e mais umas dezenas de pessoas fomos despedidas da empresa mais espectacular onde trabalhei. Foi um golpe duro, do qual custou muito a recuperar. Entretanto fui trabalhar para Braga, não me dei muito bem por lá e acabei por voltar para o Porto.

Voltei porque surgiu uma oportunidade de trabalho que eu achei que ia mudar a minha vida. Fui a três entrevistas, onde me espremeram ao máximo, para finalmente considerarem que eu tinha o perfil perfeito para a função que ia desempenhar. Deram-me um contrato sem termo, um telemóvel, seguro de saúde, formações, um ambiente de trabalho incrível e um lugarzinho num dos mais prestigiados grupos do país.
E eu pensei: é agora! É agora que a minha carreira vai ganhar o rumo que eu sempre quis. É agora que vou conseguir alcançar todos os meu objetivos e cumprir os meus sonhos.

Para explicar melhor a dimensão disto, deixem-me esclarecer que, desde que me conheço por gente, o meu sonho nunca foi casar, ter filhos e ser feliz. O meu sonho era o trabalho. Sempre foi. Ao contrário da maioria das pessoas que conheço, se estiver num trabalho de que goste e que me faça feliz, então tudo o resto deixa de ter importância. São apenas detalhes.

Então, pensei eu, finalmente o meu sonho ia concretizar-se, porque eu estava num grupo gigante, com várias empresas e podia trabalhar ali o resto da minha vidinha, sem me aborrecer, porque existiriam sempre novas oportunidades. 

Só que não. A empresa não estava a dar o lucro pretendido e era preciso fazer cortes. E, já se sabe, os cortes fazem-se despedindo pessoas. Jamais se pense que os administradores vão deixar de trocar de carro a cada dois anos e de escolherem sempre modelos topo de gama, cujo preço dava para pagar vários anos do meu salário, para diminuírem os custos da empresa.

Primeiro foi metade da equipa de Espanha, depois a restante, nomeadamente o meu chefe. Foi nomeada uma nova responsável pela área e definida uma nova estratégia. Estratégia essa que já não pretendia um perfil como o meu. Que já não queria contar com a minha equipa. Que queria passar a subcontratar aquele tipo de serviços e, por isso, cinco meses depois de estar a viver o meu sonho profissional, fui chamada para me dizerem que, afinal, eu já não tinha lugar naquela empresa, porque queriam uma estrutura mais light!

Não consigo explicar tudo o que senti quando percebi o que estava a acontecer. Para mim era quase o fim do mundo. Afinal, aos 34 anos, quem é que quer andar outra vez à procura de emprego, a ter de recomeçar, sem saber bem o que vai fazer da vida a seguir?

Estive a trabalhar mais de um mês, a saber que não ia ficar lá. A saber que me atraíram com promessas e depois me tiraram o tapete, assim à bruta. Passei pela fase de revolta, de descrença e de tristeza, até que percebi que realmente eu não podia ter feito nada para contrariar aquela decisão. E olhem que bem tentei! Foi esgotante e cansativo. E, finalmente, cheguei àquele ponto em que tive de me mentalizar que não dependia de mim e que tinha de me desprender daquilo. Foi o que fiz. Aliás, é o que tenho feito. Ou tentado. Uns dias mais animada que outros, mas motivada para enviar currículos e enfrentar o que aí vier.

E, para já, o que se aproxima são férias! Uma semana de descanso e depois 10 dias na Polónia com o amigo do coração.

Quando voltar, logo se vê o que vai ser da minha vida. Só sei que não posso deixar de fazer o esforço de pensar positivo. Afinal, há coisas bem piores, já diz a minha mãezinha. Para mim não é bem essa a verdade, mas é a que eu tento interiorizar. Não é o fim do mundo. Não o foi da primeira vez e, com certeza, não será desta.

Do meio ano que passei naquela empresa ficaram as experiências, as aprendizagens e, sobretudo, as pessoas fantásticas que conhecei e que, tenho a certeza, irão permanecer na minha vida. E a mágoa. De ter sido apenas mais um número riscado, no meio de orçamentos de milhões. Mas, quem sabe se o melhor ainda estará para vir?

quarta-feira, 12 de abril de 2017

terça-feira, 11 de abril de 2017

Ora vamos lá falar de um assunto que me apoquenta de sobremaneira. E não, não são os anúncios da Planta ou do Surf. É mesmo de sobrancelhas.

Eh pá. Não sei se costumam reparar nessas coisas, mas há sobrancelhas muito más. E não estou a falar daquelas farfalhudas, por depilar, que essas têm sempre solução.
Refiro-me às ditas que já passaram pela pinça ou pela cera e que mais valia que as respetivas donas estivessem quietinhas, em vez de estragarem o que a natureza lhes deu.
Quando vejo algumas sobrancelhas penso: mas será que estas criaturas não olham todos os dias ao espelho e não percebem que há ali qualquer coisa de muito errado?? É que ainda por cima não custa assim tanto resolver o problema: é deixar crescer e fazer de novo, sejam as próprias, a esteticista ou a vizinha que acha que tem jeito para a coisa.
Nas minhas ninguém toca, que tenho pra aqui umas cicatrizes manhosas e prefiro ser eu a arranjá-las. Como são claras e pouco peludas, também não dão assim tanto trabalho.
Mas, pessoas que tem "pontos e vírgulas" desenhados, sobrancelhas com meio metro de distância uma da outra ou tão finas que fica um mísero pelo ao lado do outro, por favor, vejam lá se dão um jeito a isso. É que umas sobrancelhas naturais e arranjadinhas dão logo outro ar e fazem toda a diferença. 

Agora um exercício simples. Se as vossas sobrancelhas se assemelharem a qualquer um destes exemplos, por favor, marcai esteticista e ide tratar disso!







segunda-feira, 3 de abril de 2017

Já parti o pipi. Agora ia partindo o popó.*

* Diz a minha amiga Lu!

Pois é minha gente. Na quinta-feira achei por bem mandar-me escadas abaixo. Ia eu, toda feliz, de malas na mão, para começar a mudar de casa, quando escorreguei e assentei com o rabo em cheio na esquina de um degrau. 
A burra da minha ex-senhoria tem uma passadeira nas escadas. Devidamente presa, como se quer. Mas, não contente, e para não se estragar aquela preciosidade, acha por bem ter ainda outras passadeiras por cima daquela. Além de jarrões nas esquinas da escadaria. Resultado? Ao tentar desviar-me com as malas dos jarrões, pisei uma parte mais estreita do degrau e, como o pé não ficou bem apoiado, escorregou na merda da passadeira. Claro que lambi logo mais dois ou três degraus e o que parou o escorreganço foi o facto de ter aterrado, desamparada, de rabo numa escada. 
E as dores minha gente?? Posso dizer que chorei e não foi pouco! Achei mesmo que tinha partido qualquer coisa.
A sexta foi passada na cama, deitada de lado e a dizer mal da minha vida sempre que tinha de me mexer e, no sábado, já conseguia andar, com algum cuidado. As drogas duras ajudaram bastante a passar estes dias. Viva as drogas!
Entretanto hoje já pareço uma pessoa mais normal a andar, mas ainda tenho aqui de lado uma dor que me incomoda e que me faz mancar ligeiramente. Espero que isto passe e que não me tenha lixado a coluna. Parece que já consigo sentir a minha ciática a querer atacar...

quarta-feira, 29 de março de 2017

Vou dedicar-me ao rebolanço. E não. Não é a isso que estão a pensar!

Deixei de fumar há nove anos. E deixei de fazer exercício há quase dois. Resultado? Comecei a engordar. Como se não bastasse, desde o verão passado que o meu desporto favorito é descobrir novos sítios onde me empanturrar com comida deliciosa. Primeiro, em Braga, agora no Porto. E olhem que nem repito locais!
Este exercício tem sido muito bom para me distrair, divertir e conviver, mas a minha barriga, coxas, braços e afins estão a ressentir-se como nunca.
Por outro lado, vontade de mexer o rabinho sem ser para me sentar num novo tasco de tapas, não há.
Resultado? Um dia destes rebolo. 
Ok, estou a exagerar. Não rebolo. A não ser que esteja deitada. Aí sim, já sou capaz de ir ladeira abaixo sem problema. MAS, só não estou redonda, porque tenho uma estrutura mesmo fina e pequena. O que disfarça sempre bem a gordura. Com a roupa. Porque sem roupa, meus amigos, isto vai pra qui uma desgraça, com tanta concentração de massa gorda naqueles sítios críticos que todos sabemos quais são...

Dieta, está mais que provado, não consigo fazer. Não adianta. Sou demasiado gulosa. Caramba, há nove anos que não toco num cigarro. Peçam-me tudo, menos para deixar de comer.
A solução seria, portanto, exercício físico. Mas, como o pé não me deixa correr e o trauma da bicicleta ainda não passou, continuo a arrastar-te de carro, elevador e escadas rolantes para todo o lado. Simplesmente, porque não me apetece. Nem uma mísera caminhada! Ginásios, então, nem pensar. 
Como tal, estou  ver a minha vidinha a andar para trás, porque a roupa está cada vez mais apertada. Pior de tudo, vem aí o calor! E eu vou deixar de poder refugiar-me dentro de collants, vestidos e casacos de fazenda. E sei que vou ficar muito frustrada quando não conseguir enfiar-me em metade da roupa de verão. E quando tiver de comprar o vestido para o batizado da afilhada mais linda deste mundo e do outro...

Por isso, minha gente, se souberem pra i de algum truque mental para levantar o meu rabo não muito gordo, que sempre foi um bocado achatado, do sofá e ganhar coragem para recusar as bolas de berlim da Padaria Ribeiro, por favor, é partilhar!

Até lá, e porque não quero que falte nada aos meus leitores, sobretudo ao anónimo do último post, aqui vão alguns ecards alusivos à atual conjuntura que por aqui se vive...







quinta-feira, 23 de março de 2017

S. Pedro, já atinavas, não?

O tempo está um bocadinho bipolar. E isto é coisa para me estar a deixar doente...

No sábado almocei de manga curta numa esplanada e hoje saí de casa com gorro e cachecol, porque estavam cinco graus.

Tem tudo para correr mal, portanto...

sexta-feira, 17 de março de 2017

Pequenas coisas que nos fazem mesmo felizes!

Pensar que o nosso telemóvel morreu pra vida (neste caso, o wi-fi deixou de funcionar. O que vai dar no mesmo). Pensar que temos de gastar um dinheirão num telemóvel novo, que não é tão bonito nem tão bom (mesmo que seja mais moderno. Isso não interessa nada).
Ir à página da marca, ver umas dicas, atualizar o sistema e.. Tchanan!!! Habemos telemóvel a funcionar de novo!
Para quem tinha acordado, sem querer, às 7h da matina e estava com um mau humor de cão, o dia acabou de melhorar!

Adenda: a felicidade só durou até ao final do dia... O telemóvel está NA MESMA!!!

Segunda adenda: E funciona outra vez!

CONCLUSÃO: Tenho um telemóvel bipolar...

quarta-feira, 15 de março de 2017

Eu, Lois Lane, apaixonada me confesso!

Vamos lá animar aqui o tasco, que tristezas não pagam dívidas, pelo contrário, ainda nos fazem é ir ao shopping gastar dinheiro em roupa e chocolates e, aí sim, corremos o risco de ficar seriamente endividadas, além de gordas e diabéticas.

Um dia destes estive a ver o filme DeadPool. E aparece um moço. Giro que se farta. Era o vilão! Ficava ainda mais giro, claro está. E aí, eu pensei: de onde é que eu te conheço? Fácil!! Acho que até já escrevi aqui sobre ele. Era o nosso (podia ser só meu, que não me fazia rogada) amigo Daario Naharis, de Game of Thrones!
O primeiro! Cuja substituição por outro ator tanta polémica causou, principalmente entre o mulherio. Fácil perceber porquê, né??


Atão, como eu dizia, no tal filme ele faz de vilão. E é tão bom, mas tão bom, que é impossível não ficar a torcer por ele! E aquela pronúncia britânica? Ui!!! Agora, botai os olhinhos no moço e ide pra cama a pensar nele! 









É que casava já amanhã!!

terça-feira, 14 de março de 2017

Time to reset and move on.

Após alguns dias a sentir-me revoltada, zangada, frustrada, que é como quem diz, fodida mesmo, as coisas começam a parecer menos negras.
É esperar que o otimisto regresse de vez e que a vida comece a rolar novamente.

Elas não matam, mas moem. E esta doeu na alma...

quarta-feira, 8 de março de 2017

Ai andas toda feliz? Espera lá que já te fodes...

Uma pessoa anda toda feliz, porque as coisas estão a correr bem e a vidinha está a andar para a frente. Do nada, dão-nos assim um chapadão, daqueles que nos deixa de cara à banda e a pensar que raio fizemos nós para esta merda ser assim.
Dá uma vontade enorme de atirar a toalha ao chão e dizer: Chega! Estou cansada. Desisto. Não quero mais dar-me ao trabalho de nada. Só quero meter-me na cama e hibernar uns três ou quatro anos. Pode ser que quando acordar este mundo seja mais simpático.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

27-02-2016: O início do fim.

Provavelmente não sabes que dia é hoje. No ano passado não te lembraste, por isso, com certeza, este ano não havias de o fazer, até porque já não faz sentido.
Há um ano atrás, eu, que nem sou destas coisas, queria aproveitar o fim-de-semana para celebrarmos juntos o terceiro aniversário de namoro. Disse-te duas vezes que devíamos combinar alguma coisa especial. Tu concordaste, mas esqueceste-te na mesma.
Há ano atrás, no dia 27 de fevereiro, fui a um jantar em trabalho, fazer reportagem do aniversário de uma equipa de futebol. Não foi bem o jantar que tinha planeado para esse dia. E a comida desceu com alguma dificuldade, como um grande sapo que custa a engolir. 
Há um ano atrás eu fiz-te um teste e tu reprovaste com uma daquelas negativas que se tem vergonha de mostrar aos pais. Eu sabia que ias falhar e não fiz nada para te ajudar a passar no teste. Porque nunca fui de cábulas. Sempre tive boas notas por mérito próprio. Achei que estava na hora de fazeres o mesmo.
Tu provavelmente não te lembras do que se passou há um ano atrás, mas eu, que até tenho memória de peixe, lembro-me perfeitamente. Para mim foi a gota de água. Para ti foi uma coisa sem importância nenhuma. Como convinha, já que a culpa era tua. Se fosse minha, teria direito a umas belas semanas de castigo, a levar com amuos e respostas tortas.
Há um ano atrás eu passei o fim-de-semana, aquele que deveria ser romântico e de comemoração, sem te pôr a vista em cima e sem falar contigo.
Há um ano atrás eu percebi que estava a chegar o dia que eu mais temia. Aquele em que ia ter de fazer uma das coisas mais difíceis da minha vida. Tomei uma decisão sobre a qual não tinha certeza nenhuma, mas que era inevitável.
Há um ano atrás a desilusão, que andava a rondar há algum tempo, tomou conta de mim. A desilusão de perceber que afinal não eras o meu FM. Não por te teres esquecido da data, naturalmente, mas por todas aquelas pequenas coisas que foram minando o futuro que eu via ao teu lado.
Há um ano atrás, foi o início do fim.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Como acabar bem uma semana do pior:

Tive uma semana de trabalho de caca, com a saída inesperada e repentina de vários colegas de trabalho. A minha equipa ficou desfalcada em Espanha e não sei como vamos trabalhar daqui para a frente.
Mas, como nem tudo pode ser desgraça, acabei de comprar mais uma viagem.
Agora venha o fim-de-semana, para passear e arejar a cabeça!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

La La Land e a lágrima no canto do olho

Ontem fui ao cinema ver o La La Land. Sim, é tão bom como dizem. Sim, ajuda ter ao lado um primo que sabe tudo e mais alguma coisa sobre cinema e que explica as referências a outros filmes, em cenas que parecem demasiado estranhas.
E, minha gente, fiquei com uma lágrima no canto do olho. Duas vezes! A culpa é da música. E da história de amor. Tão linda, sem ser a típica lamechice.

Mais não digo. Ide ver!

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Pânico capilar - o regresso!

Tenho o cabelo oleoso!

("E nós com isso?? Tivesses lavado a trunfa!").

Vocês não têm ideia do dilema que é, para uma pessoa que pode passar uma semana inteira sem lavar o cabelo, de tão seco que é, de repente, ter óleo no cabelo! É um daqueles mistérios que me assola de vez em quando. Espero que não seja uma repetição disto e disto.

Há alguns meses que ando a lutar contra uma caspa estúpida, que não se vê (pelo menos não cai para a roupa), mas que me dá uma coceira desgraçada. Agora estou a usar um champô de farmácia, que me deixa o cabelo muito estranho. E a minha esperança é que esta oleosidade seja da porcaria do champô e que passe quando deixar de o usar. Por outro lado, vou ter de continuar à procura de um champô milagroso que me livre desta caspa e desta comichão.

Em conjunto com um outro sintoma misterioso que tem vindo a atacar-me, o da transpiração fora do normal, creio que poderei supor que isto, mais uma vez, estará tudo relacionado com o sistema nervoso. Não sei é porque motivo, já que, tirando o stress normal das alturas com mais trabalho, até tenho andado relativamente tranquila.

Só sei que se nas próximas semanas a coisa se resolver, terei de ir ao médico. Porque isto realmente não é normal... Se alguém já tiver passado pelo mesmo, por favor, não se acanhe e partilhe!

Entretanto, acho que vou aproveitar para me baldar a um jantar de aniversário:


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

50 shades of black!

Para quem, como eu, tem vergonha alheia por todas as pessoas que acham a saga 50 Sombras de Grey uma bela história de amor, por favor, vejam isto:


É tão mau, tão mau, que chega a ser bom!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Quando existem falhas de comunicação com o cabeleireiro... Já se sabe que dá caquinha!

Uma pessoa vai ao cabeleireiro do costume, em quem confia plenamente e pede determinado corte. A criatura entende mal e faz o corte um bocadinho diferente do que a pessoa estava à espera. Pessoa fica com ar de quem não está muito contente, mas cabeleireiro e restantes clientes dizem que sim, que está muito bem. 
Pessoa vem embora com a sensação de que vai chegar a casa e dar umas tesouradas naquilo, a ver se fica melhor. Cabelo começa a perder o volume do penteado do cabeleireiro e pessoa até pensa que aquilo é capaz de não ter ficado assim tão mal.
Pessoa lava e seca o cabelo. Olha para o espelho. Tenta pentear. E decide que no próximo fim de semana vai cortar outra vez, a ver se esta valente merda fica um bocadinho disfarçada!

É só cabelo Lois... Ele vai crescer... Ele vai crescer... Ele vai crescer...

Até lá, acho que vou andar sempre de gorro.


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Just another Monday morning...

Uma pessoa chega ao trabalho, apenas umas horas depois de ter acabado o fim de semana, ainda assim em modo "não consigo dizer mais nada além de um bom dia" e estão duas colegas há mais de 20 minutos a discutir trabalho, cheias de energia, como se fosse quarta-feira.
Que violência. Fazem tanto barulho.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Como panicar fortemente dentro de um avião e sobreviver.

Leitores mais lindos do meu coração!!

Na sexta-feira pensei que nunca mais Vos ia escrever. Achei que era o fim. Que me ia de vez. 

Fui passar o fim de semana a Valência, que andava a precisar de arejar a cabeça e arranjei um voo a preço mesmo porreiro. Vai daí, no final da tarde de sexta-feira, lá fui toda pimpona para o aeroporto. Sexta-feira. Dia de temporal. Com alerta laranja, vermelho, ou o rai que o parta. Estão a ver o filme, né?

Quando ia a caminho do avião, pista fora (que a malta pobre anda de Ryanair e os gajos não têm direito a mangas, pelo menos no Porto), achei logo que já não precisava de embarcar naquele autocarro com asas. A ventania era tanta, que eu me julguei capaz de chegar a Valência ao estilo Super Homem. Infelizmente não tinha o GPS em condições, por isso lá entrei no avião. Que, parado na pista, já abanava todo com o vendaval.

O piloto cumprimentou o pessoal e eu pensei: Pronto. Estou fodida. Como se não bastasse a ventania, o gajo também está com os copos. 

Quando o avião finalmente começa a andar pela pista fora, a abanar todo, percebi logo que aquilo ia dar merda e que foi uma péssima ideia ter embarcado. O gajo começa a descolagem e, meus amigos, foi o TERROR!!

Ele abanava, as pessoas (um bando de gajas histéricas atrás de mim) gritavam. Ele perdia altitude de repente, mais gritos. Ele tentava à força toda ganhar altitude contra o vento, ainda mais gritos. Isto durante largos e largos minutos, até a coisa estabilizar mais ou menos lá em cima. E eu? Não gritei, naturalmente, mas ia agarrada à cabeça como uma louca, a pensar que me ia dar uma coisa má. Paniquei tanto, mas tanto, com aquelas oscilações. Eu, que nunca enjoei de avião, pensei que ia virar o barco ali mesmo. Juro que faltou pouco para sacar o cinto fora e ir lá à frente mandar o gajo aterrar aquela merda para eu sair. Parece que até já estou a ver as manchetes do CM: "Avião da Rynair aterra de emergência por causa de passageira em pânico". 

Mas como eu só queria deixar o mau tempo para trás, o remédio foi aguentar. Lá para o meio da viagem, a coisa melhorou, mas quando começou a descer para aterrar, o grande filho da puta anormal do piloto, bota de acelerar por ali abaixo, o que fez a cabeça e os ouvidos ficarem todos atrofiados outra vez.

Eu achava que já tinha apanhado voos com turbulência. Mas, depois deste, nunca mais reclamo de um pocito de ar ou outro. Juro. Felizmente a viagem para cá foi tranquila e, ao que parece, não fiquei traumatizada. 

Valência é fixe. Ide lá visitar!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Mania de pobre, não andar pela auto-estrada...

Sou só eu que, de cada vez que coloco no GPS a opção "evitar portagens", me arrependo logo nos primeiros quilómetros, porque o gajo me manda por estradas esburacadas e quelhos sem fim?? E se for com o MEO Drive?? Pior ainda! Ele tem uma predileção por paralelo e ruas estreitas, onde só cabe meio carro. As últimas atualizações incluíram tudo o que é caminho municipal, seja de vacas ou não, e toca de mandar a malta por lá. 

Ah, maldita a hora em que uma pessoa decide poupar uns trocos em portagens. Vai-se tudo depois na oficina para tratar da direção!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A galinha da vizinha é sempre mais magricela que a minha. E mais triste. E mais doente.

Adoro pessoas!

Não adoro nada, estou a gozar. Sobretudo aquelas que estão sempre mais doentes que as outras, que bebem mais que as outras, que têm multas mais graves que as outras, que sofreram traições muito mais dolorosas, e por aí fora. Malta. A sério. Há coisas de que não é lá muito bom estar-nos a gabar.

Encontramos uma amiga que nos pergunta como vai a vida e respondemos que mais ou menos, que estamos a recuperar de uma gripe que nos atirou para a cama durante três dias e que acabámos por pegar ao resto da família e ficou tudo em casa de molho. A amiga lamenta e deseja as melhoras? Não! Ela diz logo: "Ah! Mas eu fiquei uma semana inteira de baixa, levei três injeções por dia e estava a ver que tinha de ficar internada. Sim, porque ficar mais doente que os outros é, de facto, uma coisa maravilhosa.

Estamos a contar, num grupo de amigos, aquela bebedeira mítica do tempo da faculdade, que nos deixou conhecidos no curso todo. Alguém diz: "Ai, que vergonha deves ter passado"? Claro que não! Há sempre alguém que já apanhou uma pior. No mínimo, ficou em coma alcoólico e tiveram de chamar a ambulância. Felizmente naquele tempo os telemóveis não tinham câmara e não havia internet a torto e a direito, por isso, tais proezas nunca vão poder ser comprovadas. Mas o certo é que as bebedeiras dos outros são sempre piores que as nossas.

Uma pessoa está num dia mau, a queixar-se da vida, porque morreu o gato e o marido a trocou pela secretária lá do escritório, que fazia muitas horas extra. Lamentar e dar uma forcinha, porque o amanhã será melhor? Pfff! Lógico que não! A vizinha vai logo dizer que isso não é nada comparado com a desgraça dela, que perdeu a mãe, o pai e o cão, além de ter um sobrinho drógado e uma prima que, coitada, é dótora e está a trabalhar no café da esquina.

Podia ficar aqui a tarde toda a dar exemplos destes maravilhosos seres, mas sou mais ocupada que vocês todos e ainda tenho milhentas coisas para fazer. Muitas mais que vocês! 

Um dia destes dissertarei sobre as criaturas do 'podia ser pior'. 
- "Ah e tal, parti uma perna". 
- "Podia ser pior. Podias ter partido as duas. Ou podiam ter sido amputadas. Ou podias ter nascido sem pernas. E sem braços. Podias nem ter nascido!". 

Tá certo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O flagelo dessa doença que afeta os pais. E os não-pais.

Diz um amigo aqui da blogosfera que o filho dele tem 25 meses. E eu reclamei na hora, que isso não é idade de jeito. O puto tem dois anos. Em breve terá dois anos e meio. Depois disso serão quase três. E por aí fora, até à altura em que se diz apenas a idade redonda.

Esta merda parece uma espécie de doença. Mal uma pessoa se torna pai ou mãe, começa a contar a idade da cria, primeiro, em semanas, depois, em meses. E os outros, que não têm filhos, que se amanhem a fazer contas de cabeça, para tentar perceber se dizemos "ah, está tão grande" ou "caramba, é um bocado pequeno" (eu sei que nunca podemos dizer isso. As pessoas com filhos ofendem-se facilmente. Com tudo).

Adiante. Que se diga que a criança tem duas ou três semanas, é normal. Que insistam, após o primeiro mês, em dizer que a Mariazinha tem 23 semanas, é só estúpido. Estão a ver a cara de parvos que os não-pais fazem, quando lhes dão uma resposta dessas? Estão a tentar fazer contas de cabeça, para perceber a quantos meses isso corresponde. 
A partir de uma certa idade, deixam as semanas e passam a usar os meses. 

"Então, que idade tem o Chiquinho?"
"Está com 27 meses".
"..."



Really?? Não podemos dizer que a criança está a caminho dos dois anos e meio?? Ou que tem quase três? Ou mais de dois? Dá muito menos trabalho! Além disso, acham mesmo que os outros querem saber, ao mês ou à semana, a idade do rebento?? A maior parte das vezes a pergunta é feita apenas por boa educação. É uma espécie de pergunta da praxe. Sabiam disso, certo?? Por isso, um número redondo chega perfeitamente como resposta. 

Já agora, até que idade vão andar a fazer as contas em meses? Até a criança ir para a universidade??

"Então, que idade tem o Carlinhos?"
"Ah, vê lá que já vai nos 216 meses. Em setembro já vai para a universidade".

Agora muito a sério: Pessoas que têm filhos, expliquem-me, por favor: Qual é o limite para deixar de dizer a idade em semanas, para passar aos meses?? E para deixar de dizer em meses, para passar aos anos?? É uma ciência exata ou depende do humor de cada um??

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Olho por olho, dente por dente.

Caro anónimo (ou anónima) que me faz sempre a mesma pergunta:

No dia em que deixares de ser um(a) cobarde e ganhares tomates (ou pipi) para assinares os comentários, eu respondo à tua pergunta! Na boa. Prometo.
Não é por nada, mas estou farta de andar com garrafas de água de manhã, a tirar o gelo do vidro do carro. Nunca pensei dizer isto, mas ainda bem que amanhã vai chover. É que estou fartinha de ver o meu possante (ia dizer bolinhas, mas ele é gajo para ficar ofendido) preto pintado de branco todas as manhãs...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Monday, bloody Monday. *

É segunda-feira. Está frio. Meti os lençóis polares a lavar e tive de pôr na cama uns de flanela (não é, de todo, a mesma coisa). Estou no primeiro dia de período.

Tudo, portanto, para começar a semana em grande!


Pá, não resisti!

domingo, 15 de janeiro de 2017

Descobri o verdadeiro segredo para fazer uma dieta com sucesso!

Uma pessoa começa a ficar assim para o apertada dentro da roupa e pensa: se calhar era melhor deixar de comer que nem um alarve todos os dias, ao almoço e ao jantar. Se calhar, começava a comer uma coisinha mais leve à noite, que depois a malta vai aterrar com o rabo na cama ou o sofá a ver filmes e a massa e o arroz vão todos para as ancas, como dizia a outra. Uma pessoa chega a domingo à noite cheia de boas intenções e até faz uma sopa espetacular e promete que a vai comer todos os dias ao jantar e cortar nos hidratos. Uma pessoa fica muito contente com os planos, já a imaginar-se a conseguir respirar outra vez dentro daqueles vestidos que adora.

A semana começa e na segunda-feira uma pessoa, entusiasmada com a resolução de cortar nos hidratos à noite, até só come a sopa, uma carninha e fruta. Na terça uma pessoa tem jantar de equipa num argentino assim ma-ra-vi-lho-so e manda a pseudo-dieta às urtigas, que isto de pagar couro e cabelo é muito bonito, mas é quando se sai de lá feliz por ter comido tudo a que se tem direito. Na quarta uma pessoa tem remorsos de tudo o que enfardou na noite anterior e volta à sopa, à carninha e à frutinha. Na quinta uma pessoa vai jantar fora e, para ser mais "levezinho", escolhe um restaurante de sushi hiper mega bom, com vista pro rio e todas aquelas coisas que abrem o apetite e que nos fazem enfardar sushi até mais não, sendo que ainda sobre um cantinho para partilhar a sobremesa, saindo de lá a rebolar. Na quinta uma pessoa tem outra vez remorsos e volta à sopa. Na sexta, uma pessoa ruma à aldeia e até diz à mãe que só quer comer uma sopinha, mas quando chega encontra moelas daquelas mesmo boas, com molho daquele mesmo bom. E a mãe pergunta se uma pessoa quer comer aquilo com arroz branco ou com pão. Na dúvida, uma pessoa come metade de cada.

Acho que nem vale a pena fazer o relato de sábado e domingo. Só posso dizer que meteu peixe frito, pão e bola de carne caseiras em forno a lenha, frango à paneleiro, torresmos, bacalhau no forno e afins. Ah, e castanhas assadas. E uns Ferreros Roché que descobri ali guardados num armário.

Portanto, pessoas, o segredo para fazer dieta é simples: fechem-se em casa! Não aceitem convites para jantar, não visitem a família, não vão a aniversários, nem casamentos, nem nada! Que isto é tudo uma cabala, para nos fazer andar por aí a rebolar.
Isso, ou uma máscara como a do Hannibal Lecter...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Ano novo, penteado diferente??

Desde que chegou o frio que tenho andado com o cabelo sempre liso. Que isto de sair à rua de caracóis molhados, dá uma dor de ouvidos que não se pode. Por isso, a guedelha tem andado sempre lisa lisa, com a prancha, ou só assim meio lisa, quando não há tempo e vai só com o secador.

Vai daí, o que é que eu tenho pensado?? Em fazer uma franja! Com caracóis não gosto de ver, mas já que me habituei a, mais ou menos, domar a juba, ando seriamente a pensar, finalmente, fazer este corte:





Já tive franja duas vezes e não achei muita piada, mas tinha o cabelo comprido. Acho que com o cabelo mais curto (agora está pelo ombro) é capaz de ficar engraçado. Uma coisa assim meio assimétrica, que de franjas certinhas eu não gosto.

Mais alguém está a pensar fazer loucuras ao cabelo?