sábado, 21 de novembro de 2015

Decisions, decisions... Help???

Ora cá vai mais um dilema. Este é dos bons. So focus please people!

Fui seleccionada para um trabalho interessante, numa empresa de renome. Mas (há sempre um mas, não é?) existem vários 'senãos'.
Primeiro: O contrato será feito através de uma empresa de trabalho temporário.
Segundo: A empresa quer que eu assine uma coisa que descobri ser denominada de Pacto de Permanência. Como o cargo exige formação específica, não me posso despedir antes do final do contrato, caso contrário tenho de indemnizar a empresa relativamente aos gastos que teve a formar-me. 
Terceiro: O ordenado não é grande coisa.

O meu grande dilema aqui prende-se mesmo com o Pacto de Permanência. E se eu não gosto daquilo? E se não me dou bem? E se aparece uma coisa melhor?? Para além do ordenado, claro.. O meu subsídio de desemprego é mais alto do que o salário que me propõem, mais o subsídio de alimentação. Oferecem também prémios mensais de produtividade. Mas e se corre mal?

Depois, as vantagens:
Primeira: Ia deixar de estar desempregada.
Segunda: Ia ter formação e ganhar experiência numa área que me agrada e na qual gostava mesmo de investir.
Terceira: Os escritórios são num edifício brutal.

Posto isto, devo dizer que estou como o tolo no meio da ponte. É que a partir do momento em que aceitar, acabam-se as entrevistas para novas oportunidades de trabalho, sendo que não vou poder andar a faltar sem mais nem menos. E se vierem melhores oportunidades? Janeiro já não está longe e eu acredito que é nessa altura que as empresas mais contratam.
Depois, o processo de recrutamento foi tão rápido (dois dias! Querem que assine os papeis na segunda e comece a formação na terça) que me deixa de pé atrás. 
Por outro lado, penso se não estarei a perder uma boa oportunidade, sendo que pode não aparecer nada melhor tão cedo...
E pronto. É o dilema deste fim de semana. Agora digam-me lá que raio faço eu, já que tenho de tomar uma decisão até segunda-feira.

8 comentários:

  1. Olha, esse tal pacto tem valor legal? Informa-te acerca disso. Se é uma área q te interessa, se calhar vale a pena o passo atrás (o ordenado) para dp dares dois passos em frente. Quanto tempo é o contrato? Talvez consigas passar para os quadros. Não é obrigatório por lei haver um x tempo à experiência?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O contrato é com a empresa de trabalho temporário. E sim, esse pacto existe no Código do Trabalho, que já andei a ver. A minha única questão prende-se com o facto de eu assinar contrato com a Manpower, que é a prestadora do serviço, e depois assinar o pacto com a outra empresa. Ainda tenho de tirar isso a limpo, porque vi um artigo qualquer que refere uma coisa do género.
      O contrato deve ser de meio ano...

      Eliminar
  2. Eu cá não sei de nada, mas tendo em conta o panorama geral, se a empresa é de renome, ao menos deve pagar certinho... aceita!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem paga é a empresa de recrutamento / trabalho temporário. E a empresa para onde querem que eu vá é 'velinha', mas tem andado com insolvências e PER's e afins.

      Eliminar
  3. Julgo que a indemnização em caso de incumprimento do pacto de permanência é correspondente ao valor gasto com a formação profissional, portanto, e atendendo a ser um contrato de 1/2 ano, não deve ser nada de especial. Agora essa questão de assinares um contrato com a manpwoer e o pacto com a tal empresa também me intriga. Depois conta se descobriste a "validade" disso. E boa sorte de qualquer forma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amanhã de manhã vou directa à Manpower esclarecer tudo isto e vou pedir para me dizerem qual é o valor em questão. Não faz sentido assinar uma coisa da qual não tenho informação suficiente. Se for muito dinheiro ou se não me quiserem dizer, mando-os passear de certeza.

      Eliminar
  4. Quero saber oq eu decidiste, já que não fui a tempo de opinar!

    ResponderEliminar
  5. Pensei muito, falei com as pessoas que me são mais próximas e decidi não aceitar. Sobretudo depois de saber que, se corresse mal e quisesse sair antes de completar 3 meses tinha de reembolsar a empresa com 650 euros. De 3 a 6 meses, metade. Além de perder o subsídio de desemprego. Era um risco muito grande, por uma proposta que não tinha grandes vantagens. Portanto decidi esperar por uma melhor oportunidade. Espero não ter feito asneira!

    ResponderEliminar