quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Porque qualquer tragédia tem sempre um lado cómico - Parte I

Uma vez que tive de ficar mais uma noite no hospital, sem estar a contar com isso, e porque a minha mãe já estava lá para me visitar, liguei à minha avó e pedi-lhe que fosse a minha casa para me levar um pijama e alguma roupa interior. Lembrei-me também de lhe pedir que me levasse a pílula, que estava quase no fim. E a pior coisa que eu poderia ter naquela altura, cheia de pontos, era o período. Ela levou tudo.

No dia seguinte ligou-me a perguntar se eu estava melhor. E perguntou se eu estava a tomar antibióticos. Eu disse que não, que eram só analgésicos e anti-inflamatórios. E diz-me ela muito preocupada: Ah, tu vê lá. Olha que os antibióticos cortam o efeito da pílula!




Eu estava internada, com o pipi todo desfeito, cheio de pontos e ela achava mesmo que eu ia dar uso àquilo?? Nem sabia se havia de rir ou de a mandar dar uma volta. Limitei-me a dizer que sabia, mas que não se preocupasse, que não estava a antibióticos. 

O meu relatório médico diz especificamente: aconselhado um mês de abstinência sexual! A minha prima enfermeira diz que devo esperar um mês e meio. Eu acho que daqui a meio ano devo ganhar coragem.

E a minha avó preocupada com os antibióticos. Pois. 

Sem comentários:

Enviar um comentário