quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A(In)li(o)ve!

Sobrevivi ao bloco! Uma hora inteirinha para tirar a porcaria de um lipoma (nódulo de gordura) que era suposto sair em dez minutos. Estava bem mais fundo do que se estava à espera e a coisa foi um bocadinho mais demorada, com direito a muita anestesia, que me deixou toda quinada. 
Agora já está! Pareço um bocado parva porque não consigo fazer grandes movimentos e porque me sento de maneira estranha, mas para já, a dor aguenta-se (vivá droga!).

A melhor parte disto tudo? Tive direito a mimos! Ontem à noite e hoje à tarde! :) 
Mimos e beijinhos!! Ah pois é!!! Finally!!! ahahah (Estou com 'aquela' cara da parva!). 

Ontem o futuro marido fez-me uma surpresa (Já disse que odeio surpresas?? Pior ainda quando me aparecem de repente?). Pois bem, um rapaz lá da terra pediu-lhe para o vir trazer cá a Estação de Campanhã e ele veio. Não me disse nada. Só enviou sms a perguntar se podia vir dar um beijinho. Eu fiquei com aquela cara: Oi???? Curiosamente não fiquei nada chateada. Pelo contrário! Adorei a surpresa.
Hoje à tarde também veio ter comigo. E pronto. Estou aqui toda sorridente no sofá!

PS: Valeu tanto a pena esperar por aquele beijo....
PS2: Sim, é agora que podem trazer a faca afiada!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Diz que amanhã vou ser operada. Não, não é nada de grave nem pretendo bater a bota. 
Apenas uma cirurgia de ambulatório. Lá pela hora de almoço já devo estar fina. 
Acho é que vou ter de andar uns dias sem sutiã... Pode ser que o outro repare e a coisa aqueça! ahahaha!

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Diálogo deveras esclarecedor (para vocês...)

Nota: Este post contém linguagem que pode ferir a susceptibilidade dos leitores mais mariquinhas sensíveis... (Infelizmente é mesmo só mesmo linguagem...) 

Je sais, je sais... Está tudo em pulgas para saber como correu o fim-de-semana!

A esta hora estais todos a perguntar se houve ou não desenvolvimentos com o futuro marido durante a estadia na terrinha.
Seria mais ou menos isto: 

Vós: Então Lois! Conta-nos tudo! Houve desenvolvimentos?
Eu: É pá.... Mais ou menos... Quer dizer... Nem por isso... (Vou ali buscar uma faca afiada e já volto).
Vós: Atão, mas que raio, não estiveste com ele?
Eu: Estive sim!
Vós: E atão? Que se passou?
Eu: Passo a explicar: Sábado à noite, tomámos café, conversámos, fomos passear, conversámos, parámos à beira-rio a contemplar a Lua, que estava quase cheia e dava assim um efeito engraçado...
Vós: E aí ele agarrou-te e deu-te um beijo!!!!
Eu: Não! Na loucura, demos as mãos (Agora uso a faca no pulso esquerdo).
Vós: WTF! As mãos??? Ele agarrou-te na mão, em vez de te agarrar a jeito?
Eu: Yap...
Vós: É pá! Ca ganda mariconço! 
Eu: (Silêncio... suspiro...) Enfim, estivemos lá até às quatro e tal, fomos embora e depois estivemos mais não sei quanto tempo no carro dele (à espera que o meu descongelasse). Brincadeira, toca daqui, toca d'acolá...
Vós: E foi aí que ele te deu um beijo!!!!
Eu: Nop! Nem beijo, nem amassos, nem porra nenhuma! Dois beijinhos de despedida e foi se quis!
Vocês: É pá! É pá! Ca ganda mariconço!
Eu: (Silêncio... suspiro...) Ontem à tarde fomos tomar café a um sítio diferente, estivemos a passear à beira-rio, a ver os patos e o caralho, assim uma cena a puxar pro romântico.
Vós: E finalmente ele ganhou tomates pra te agarrar??
Eu: Não!!!! Nem assim! 
Vós: Oh que caralho! Isto assim não tem piada nenhuma!
Eu: Pois não! Eu que o diga!
Vós: Etão e depois?
Eu: Atão, depois voltamos pra terra, fomos lanchar, voltámos a estar no carro, mãos na mão e tal... E foi isto. (Agora vou cortar o pulso direito).
Vós: Foda-se!
Eu: (Silêncio... suspiro...) Pois. 
Vós: Então e agora?
Eu: Agora não sei. Mas na próxima semana vou estar de férias na terrinha, por isso vou esticar a minha paciência mais um bocadinho.
Vós: Mas achas que vale a pena?
Eu: Acho! Um gajo que dá tanto trabalho tem de valer a pena! Não?...
Vós: Hum... Pois.... Será gay???
Eu: Não creio.... Lá se ia o que resta da minha reputação!
Vós: Ahahahahahah!

E é isto... 

Andei tanto tempo a queixar-me que não me apareciam gajos de jeito, que eram todos uns filhos da mãe, que só me queriam levar pra cama (visto daqui agora já nem me parece assim tão mal)... Agora tenho um gajo que é demasiado certinho. Karma, Karma, tu gostas de me infernizar a vida, não gostas??? 

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Não, não vou falar de gajos

Eu sei que querem ler coisas sobre os meus dramas românticos, mas para já apetece-me contar sobre  a minha penúltima ida ao ginásio, durante a qual tive vontade de correr uma gaja à chapada.
Estávamos na aula de ginástica localizada. Cada um tenta colocar-se a modinhos para conseguir ver a respectiva figura (triste) no espelho. Eu estava mais para trás e a gaja foi-se pôr MESMO à minha frente. Eu desviei-me pro outro lado. Cinco minutos depois ela estava outra vez a tapar a minha visão. Mudei de sítio outra vez e lá vinha ela de novo, quando teve uma quebra de tensão.
Deve ter sido das pragas que eu lhe estava a rogar. Terei poderes especiais???
O que é certo é que se foi sentar a um canto e eu aproveitei para marcar território. 
Rais ma partam se na próxima aula não me escarrapachar mesmo à frente do espelho!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Newsflash!

Ele (diz que) gosta de mim! :p

Parece que nem tudo está perdido!

(Lois Lane sente-se, neste momento, como uma catraia de 16 anos... Oh fuck!)

Karma, porque não me largas tu????

Está tudo em pulgas pra saber o que aconteceu ontem, né?

Pois eu resumo: NADA!!! Nadinha desta vida!

Começo seriamente a considerar a hipóteses dele ser gay. Ou de só querer ser meu amigo. 
Se calhar não faço o género dele! Talvez devesse deixar crescer o bigode e deixar de usar desodorizante! 
Definitivamente, estou a perder qualidades. Já não  consigo sequer engatar um gajo da aldeia... Um gajo da aldeia pá!!!!! Resmas de gajos pagavam para estar comigo ontem no meu sofá! E ele, nada...
E sim, o gajo até tinha piada por se fazer de difícil. Mas não exageremos. Paciência tem limite. E a minha está prestes a esgotar! 
Be afraid!!! Be very afraid!

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Recebi uma mensagem que diz: "Tenho saudades tuas".
Mais uma vez, não é do futuro marido.. (mas há-de ser!!!!!)

Post anti-romantismo

Vamos lá contrariar o ambiente romântico-lamechas que tem reinado neste blog, antes que eu corte os pulsos!

Já vos aconteceu ver a foto de um gajo com quem andaram há muuuuitos anos atrás e o dito cujo estar tão feio que até têm vergonha de admitir que tiveram alguma coisa com ele???
Acabou de me acontecer! QUE ME-DO!

Atão vou-vos contar a história:
Fiz o estágio de último ano da faculdade no Gabinete de Comunicação de uma câmara municipal. Devia ter uns 22 anos. Ora o assessor que lá trabalhava não era giro nem nada, mas tinha pinta de gajo mais velho. Já não sei bem, mas devia ter mais uns 12 anos que eu. 
O gajo gostava de lançar charme e eu nunca tinha tinha andado para as bandas de um gajo mais velho, vai daí, comecei-lhe a piscar o olho. Enrolámos-nos, claro está! A expectativa era alta, mas saiu totalmente defraudada, visto o gajo não grande jeito pra coisa. O interesse caiu a pique e desapareceu completamente quando ele me falou em qualquer coisa como 'viver juntos'. Claro que me pus a andar mais depressa do que vocês conseguiriam pronunciar o nome da minha avó materna e ele nunca mais me pôs a vista em cima!

Entretanto encontrou-me no Facebook e eu ia tendo uma coisa má quando vi a foto dele. Se alguém sabe que andei com a criatura, lá se vai a minha reputação... 

E é isto. Provavelmente não sabeis, porque ainda não escrevi aqui sobre isso, mas até há uns três ou quatro anos atrás, eu era a verdadeira cabra do piorio... Daí agora andar às turras com o meu Karma. Até pagar por todos os meus pecados, acho que ainda vou ter de penar um bocadinho. 
Pode ser que a coisa com o futuro marido corra bem e as contas fiquem saldadas! 

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Cada cabeça sua sentença

Serei a única a achar que esta moça tem a cabeça desproporcional em relação ao resto do corpo? Assim um bocadinho a tender para o grande... Ou o corpo para o pequeno...



terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Devagar, devagarinho....

Quinta-feira vamos ter jantar lá em casa!
Ele vai cozinhar!
E eu vou comer(-lo).

ahahahahah!
A ver vamos....

A little help here please!

Vá! Aposto que alguém tem um pc que não use!!!

Isnaba
Estaciono o carro. Guardo o tablet- cujo GPS me orientou até aqui-  depressa na mala, não vá ninguém estar a ver-me e ainda ser assaltada. O prédio, no bairro social com má fama, não tem varandas. Fico sem fôlego a subir as escadas até ao terceiro andar.
Bato à porta, nervosa. Relembro-me do horror das "visitas domiciliárias" que era obrigada a fazer enquanto trabalhei na Casa Pia. Não gosto de ser invasiva mas a enfermeira que me acompanha pediu-me ajuda. Irá fazer o penso ao rapaz que tem uma escara no pé. Das feias. Seria importante eu conhecê-lo, diz ela. Voltei a ser psicóloga social. 
Lá dentro o Isnaba abre-nos a porta. A casa imaculada e limpa tem poucos móveis, importante para que o Isanaba se consiga mover à vontade, na sua cadeira de rodas. 17 anos, cor de chocolate, grande, extraordinariamente bonito. Recebe-nos com um sorriso. 
Olha-me nos olhos, não me teme. Foi atropelado na província, lá na Guiné e ficou paraplégico. Ri perante as minhas tentativas de arranhar o crioulo, que a minha amiga Catarina me ensinou. Veio para Portugal tentar voltar a andar, o pai morreu entretanto e o tio paterno prometeu fazer tudo por ele. E fez. Trouxe-o para Portugal, mudou toda a sua vida para perseguir o desejo do sobrinho voltar a andar, trouxe a mulher, depois as filhas, a mais velha chegou há um mês. Já não via os pais há muito tempo mas sabia que os pais vieram fazer o que tinha que ser feito, ajudar o primo, porque a família é responsabilidade de todos. A mãe do Isnaba e os irmãos ficaram lá na Guiné, telefonam-se quando há dinheiro.
O Isnaba não se queixa. Adora o tio. Serve de skate humano para a prima pequenina, que se põe em pé no seu colo, enquanto ele faz deslizar as rodas da cadeira. São oito pessoas agora lá em casa para três quartos. Um é só para o Isnaba, os outros membros da família desdobram-se entre beliches, esteiras no chão e um sofá de pele corcomida que lhes ofereceram. Nunca se queixam. "Quando eu começar a andar vai valer a pena o sacrifício de todos. Vou compensá-los". 
O Isnaba não vai à escola desde que saiu do hospital. As enfermeiras do centro de saúde têm-lhe feito o penso ao domicílio. Sente falta de ver gente diferente, sorri o Isnaba e pisca-me o olho, galanteador. "Às vezes- todos os dias- venho aqui para a janela e vejo a vida lá fora. Tenho saudades da chuva. Na Guiné chove muito, sabe?". A Câmara Municipal está a tentar encontrar um apartamento num rés-do-chão para a família do Isnaba, em que uma simples rampa possa ser a ponte para o mundo, ainda que um mundo sobre as rodas que, dificilmente, abandonará. 
Entretanto, faz-me um click: um computador. Preciso de um computador com ligação à Internet. Um computador que lhe traga notícias do Mundo, vídeos da Guiné, quem sabe a integração num projecto de tele-escola. Preciso de um computador que lhe traga um facebook, poder reencontrar os ex-colegas da enfermaria do hospital, novos amigos. Preciso de abrir o Mundo para o Isnaba, ainda sem chuva, ainda que abrindo-lhe apenas mais uma janela. 
O Isnaba não sai de casa há meses, um ano talvez e os seus 17 anos fazem-no crescer e um dia o Mundo talvez não lhe caiba. Preciso de um computador para lhe devolver, devagarinho, o Mundo. Um computador. Para começar.

Publicada por 

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Lois está metida numa bela de uma enrascada!

Com esta história toda do gajo não vos contei que me meti num imbróglio daqueles de gente grande.
É um post longo, mas preciso mesmo que o leiam até ao fim. 

Na segunda-feira à noite fui curtir o Carnaval com uns amigos. Acabámos a noite numa discoteca que conheço há muitos anos e que é de um amigo meu.
No fim da noite, já depois das 7 da matina, vim cá fora atender o telemóvel. Como os outros já estavam a pagar, deixei-me lá estar à espera deles. Nisto, vejo os seguranças arrastarem cá para fora um gajo que estava muito bêbedo. Até aqui, tudo normal.
Estavam a perguntar-lhe pelo cartão, quando um deles lhe deu uma chapada que o fez bater com a cabeça na porta. Depois deram-lhe um pontapé na barriga e ele caiu no meio do chão.
Comecei a assustar-me com aquilo e liguei ao dono da discoteca. Como ele não atendeu, enviei sms a dizer para vir cá fora, mas ele só viu mais tarde. Os meus amigos também não atendiam o telemóvel e assisti, sozinha, a uma cena de pancadaria do outro mundo.
Os seguranças espancaram o fulano. Mesmo depois do cartão ter aparecido, deram-lhe um murro que o fez cair outra vez ao chão e recordo-me perfeitamente de ter ouvido a cabeça dele bater no cimento... Entretanto apareceram os amigos dele e uma rapariga disse que lhe pagava o cartão. Mesmo assim, eles voltaram a bater. Fiquei tão nervosa com aquela cena que já só queria sair dali. Depois pensei: raios, porque é que não fiz alguma coisa? Mas congelei...
Depois de os seguranças o largarem, fui ter com as pessoas que estavam com o fulano e disse para irem fazer queixa à GNR e que, se fosse preciso, eu era testemunha do que aconteceu e deixei o meu número de telemóvel.
Entretanto os meus amigos saíram e eu contei-lhes o filme todo. A primeira coisa que me disseram foi que eu não devia ter dado o meu contacto e que não me devia ter metido.
E eu expliquei que me pus no lugar da família e dos amigos do fulano... Caramba! E se fosse o meu primo de 18 anos que bebe uns canecos e deixa de saber o que faz? E se fosse o meu amigo Jorginho que uns anos antes, com os copos, tinha armado uma cena lá dentro e que também foi posto cá fora? A diferença é que os seguranças da altura eram pessoas calmas e civilizadas. Ele gritou, esperneou, insultou-os, ameaçou-os e eles limitaram-se a ficar cá fora de braços cruzados a olhar pra ele, a curtira a bebedeira dele. Eu conhecia-os e eram gajos porreiros. Fiquei uns anos sem lá ir e mudaram o staff. 

Uns dias depois, ligou-me a mulher do rapaz, que afinal é um homem de 33 anos, dono de outros bar na mesma cidade da discoteca, casado e com um filho pequeno. Ela é jurista e está a tentar avançar com um processo contra dos seguranças. Quis que eu descrevesse o que vi e perguntou-me se eu era testemunha, no caso de avançar com o processo. Eu disse que sim. Pediu-me que não comentasse o caso com o dono da discoteca e eu assim fiz. 
Só que hoje ele mandou-me sms a perguntar se era verdade que eu me tinha oferecido como testemunha (How the fuck does he know????). Ainda não lhe respondi, mas mais logo vou-lhe ligar para explicar tudo o que os seguranças fizeram ao homem, que foi grave, muito grave, e que ninguém tem o direito de fazer isso.

Ontem, em conversa com o futuro marido, perguntei se ele também achava que eu tinha feito mal em dar o meu contacto e oferecer-me para ajudar. Ele disse que no meu lugar faria o mesmo, mas que eu devia estar consciente de que era um risco.
Um risco, perguntei eu?? Um risco como? Achas que eles podem tentar fazer-me mal? E naquela momento começaram a passar-me filmes pela cabeça. Afastei-os e disse: Achas mesmo que eles me vão seguir até à porta de casa e tentar intimidar-me? Ou bater-me? Isso não acontece cá!
Ele ficou a olhar para mim e disse que se eu de facto não os conseguisse identificar (era noite, os segurança são todos iguais e se os voltar a ver não vou ter a certeza que eram eles...), provavelmente nem se iam chatear comigo, mas que se eu chegasse lá e lhes apontasse o dedo a dizer que foram eles, se calhar eles não iam deixar barato...

E agora estou eu aqui a pensar se fiz bem ou mal. Se o processo avançar eu tenho o dever de testemunhar. Mas e se os gorilas decidem vingar-se??? Digam-me lá que eu estou a fazer filmes e que isso não vai acontecer!

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Desenvolvimentos.. Or not!

Acabo de receber uma sms que diz: "Gosto de ti".
É de um gajo.
Não, não é do futuro marido (com muita pena minha).

Por falar nisso, passei a noite com ele (e vocês agora dizem: aaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh).
No carro (e vocês: aaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhh!).
A conversar (aaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh!).
SÓ a conversar! (oooooooooooooohhhhhhhhhhhhhhh).
Yap! Até às 6h20!!!!!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O cúmulo da distracção?

Ir de carro para o trabalho e regressar a casa de metro.
Sim, eu esqueci-me do carro!

Coise, mas num coise...

Pois que, meu bando de curiosos, o jantar correu muito bem!
Levei o moço na sua primeira incursão na culinária japonesa e safou-se com os pauzinhos.
Muita conversa e muita risota. 
Depois fomos tomar café a um bar na praia. Mais conversa e mais risota.
Depois ele foi-me levar a casa. 
E pronto, foi isto!
SÓOOOOO ISTO!
A modos que, portantos, ganhámos mais confiança, proximidade e tal, mas coise (beijo daqueles à séria e afins) que é bom, nada...
Não é virgem. Também não é gay. Se calhar é só mesmo tímido... Mas caramba! Ninguém com 1,92m é tímido pá!!!
Paciência Lois, muita paciência!!!

PS: Eu sei que estavam à espera de uma história escaldante e ardente, mas essa calhou a uma amiga minha que andou lá pros lados da praia. E não foi apanhar sol! Mas quem esperou estes meses todos (sim, MESES! Oh fuck... isto é mais sério do que eu pensava... tragam-me uma faca para cortar os pulsos!) espera mais umas semanas! Right? :s

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Não sei se ria ou se chore.
O jantar está confirmado.

Oh fuck, oh fuck!

Odeio o Dia dos Namorados!
Só me lembro de ter cometido o terrível erro de namorar nesta data, uma única vez! E recebi um peluche! Eu odeio peluches! São feios, ganham pó e fazem alergia.
Depois aprendi a lição e, das duas uma: ou despachava o gajo antes, ou adiava o início da coisa para depois do 14 de Fevereiro.
Por norma, neste dia saio com as amigas e vamos jantar ao restaurante mais pindérico que existir, só para beber umas garrafas de vinho e gozar com os casais à nossa volta. Às vezes também íamos ao cinema ver o filme mais lamechas que estivesse em cartaz. A meio do filme já meia sala tinha vontade de nos torcer o pescoço. Era só rir!
Pois bem, após anos e anos de a celebrar o Dia de S. Valentim com as amigas, hoje tenho um jantar com um gajo... Aliás, com O gajo. O meu futuro marido! Descobri isso no dia em que fiz 30 anos, depois de passar a tarde com ele.

Ahahahahah
Sim, estou a rir-me de mim. Não estou no meu pleno juízo. Não acho normal andar aqui a escrever estas coisas. Sinto o meu raciocínio seriamente afectado...

Acho que ele nem sabe que dia é hoje. Apenas combinamos jantar. Vamos ver se até logo ele não se apercebe e não desmarca o raio do tão aguardado jantar... 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Oh fuck!

I think I'm in love....


Dúvida

Vá-se lá saber porquê, tenho gente no Linkedin a pedir-me opinião sobre os respectivos currículos e a melhor forma de os divulgar / entregar....

Será alguma espécie de vírus???

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Fiz um bolo.
Usei uma forma nova.
Não ficou bem cozido no meio.
Eu adoro bolos mal cozidos.
Já comi quase metade.
Suspeito que não me vai fazer muito bem.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Por vezes...

... O meu humor consegue ser uma verdadeira montanha russa.
Se fosse só da TPM até tinha desculpa. Mas quando estes altos e baixos são provocados por outras pessoas, é muito mau sinal...

Anti-diet weekend

Sabeis qual é a melhor parte de estar na aldeia?
A comida!!!! Da minha mãezinha!! Ah pois é!
Hoje o jantar vai ser cozido à portuguesa!!! E perguntam vocês: Num sábado à noite?? Não era melhor no almoço de Domingo??
Era!!! Se o almocinho de amanhã não fosse arroz de lampreia!!!
Ai como eu gosto de comer.... :)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Estou tãoooooooo cansada....

Depois de uma semana que se resumiu a isto: manhã - formação de alemão + tarde - trabalho + noite - formação de francês ou ginásio, se me apanho lá na terrinha até penso que é mentira!!!
Uma vez que terça não trabalho, meti a segunda de férias. Vou ter três dias, três!!!! para ficar na aldeia. É a loucura! 
Só falta mais um dia de trabalho... 

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Fashion?????

Muito raramente (pra i duas vezes ao ano é mais que suficiente) espreito um ou outro fashion blog. E sempre que o faço pergunto-me como raio é que aquela gente acabou a dar conselhos sobre moda!
Já sei que gostos não se discutem, mas porra! É que vestem-se mesmo mal! Ainda por cima parecem siamesas, porque vai tudo ao mesmo! 

Ainda bem que eu não ando na moda. Era capaz de ter vergonha de sair à rua!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Terra Sonâmbula

Graças à demora do nosso Serviço Nacional de Saúde, fui hoje capaz de terminar o Terra Sonâmbula, do Mia Couto, enquanto esperava por uma consulta.
Tenho a dizer que o livro é delicioso!
Apesar de retratar as dores da guerra civil em Moçambique, através de um dialecto próprio, o autor relata também os sonhos, aventuras e fantasias de um rapaz que decidiu deixar a aldeia Natal e partir à descoberta. A suas memórias ficaram registadas num caderno, que foi depois encontrado por um menino que fugia, na companhia de um velho, da guerra e cuja vida se havia cruzado, sem que ele soubesse, com o autor dos escritos.
E pronto, assim resumido resumido, é mais ou menos isto. 
Leiam, que vale a pena. É mesmo muito bonito!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

O Facebook é uma coisa maravilhosa!

Porque lemos pérolas destas:

"a capacidade de burrixe de algumas pessoas é fantastica...
em vez de se olharem varias vezes ao espelho,nao....
metem se na vida dos outros e falam da deles porque nao sabem criar nada muito menos fazer algo...
a felecidade dos outros «escondida» mete muita confusao...heheheheheh
fica a dica...."


Ainda bem que ela só acha fantástica a 'burrixe' dos outros... Mas o que importa é a 'felecidade'!!

20.000

Oh!
20.000 visitantes! :)

Por isso,


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Quem tem brio, não tem frio

Pois que ontem à noite saí com uns amigos na baixa do Porto.
Tenho-vos a dizer que nem estava chuva, nem orvalho. Estava era um frio do caralho caraças!

Nós, trintões, andávamos cheios de casacos e até tremíamos de cada vez que saíamos de um bar.
As pitas, entre os 15 e os 20, andavam de perna à mostra e nem a porra de um casaco comprido traziam! Pareciam a brigada do calção! Será que agora não há mais nada para vestir?
Nada contra os calções, que até tenho dois pares, mas porra, aquilo eram mais umas cuecas do que outra coisa! A grande maioria de ganga, mas também os havia pretos, brancos, coloridos... todos curtos! Muitoo!! 
E vocês pensam: ah e tal, de certeza que traziam umas leggins daquelas quentinhas por baixo! 
Qual quê??? Meia de vidro!!! Transparente!! Daquelas fininhas que eu nem me atrevo a usar no Inverno!

Elas lá andavam, todas pimponas, com trapinhos primaveris, enquanto aqui os cotas se foram refugir num canto mais quentinho antes que nos caísse qualquer extremidade do corpo, tal era o gelo que estava!

PS: Também havia mini saias! Aliás, como uma pessoa do grupo disse, e bem, abajours de (desculpai-me o termo) conas!

Problema de expressão

Nasci com um erro de série que me impede de expressar 'coisas' do foro sentimental.

É mais ou menos isto.