sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Instintos assassinos - Parte II

Andar de metro dá-me vontade de bater nas pessoas. Sobretudo as que:

- Não respeitam a 'ordem' estabelecida de entrada e saída de passageiros (primeiro deixam sair, depois entram) e que, por sinal, está escarrapachada nas portas do metro (pelo menos no Porto). Por vezes imagino que sou uma enorme jogadora de rugby e só me apetece dar uns encontrões valentes naquela gente que não me deixa sair, a ver se aprendem de uma vez. Ou perguntar se são cegos, ou analfabetos (e, na grande probabilidade que existe de não o serem, dar-lhes com a testa na porta do metro).

É assim tão difícil de compreender???

- Entram nas escadas rolantes e ficam ali paradas no meio, sem deixar passar quem está com pressa e quer dar à perninha em vez de ir a apreciar a paisagem. Apetece-me agarrá-los por uma perna e mandá-los por ali abaixo. Mas vá, limito-me a mandar um 'Com licença', de sobrancelhas arrebitadas.
- Assim que o metro pára, quase correm (algumas pessoas chegam mesmo a fazer sprints) para se meterem à frente de toda a gente que, tal como elas, está ali à espera do dito cujo! Qual fila, qual ordem de chegada, qual quê!!! Importa é entrar primeiro que os outros todos.
- Fazem o mesmo que as anteriores, mas à saída do metro. Hoje mandei uma cotovelada numa catraia que me fez isso. Só assim naquela, como quem está a avisar. 

Portanto, se andam no Metro do Porto, afastem-se de mim, que eu sou uma mulher enervada!!! 

1 comentário:

  1. Se andasse nos transportes de Istambul sim, aí é que é tudo ao molho e fé em Deus. Comparado com eles somos muito disciplinados
    Mas também não arranjam atritos, e não deixa de ter razão sim senhora.
    Há pessoas que têm a mania que sabem mais que os outros que são mais espertos

    ResponderEliminar